Cuíca-de-colete é redescoberta na Amazônia brasileira após 50 anos

A cuíca-de-colete (Caluromysiops irrupta) está na categoria Criticamente Ameaçada da Lista de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção, elaborada pelo ICMBio - Foto: Marcio Martins

A cuíca-de-colete (Caluromysiops irrupta) está na categoria Criticamente Ameaçada da Lista de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção, elaborada pelo ICMBio – Foto: Marcio Martins

A cuíca-de-colete (Caluromysiops irrupta) é o único marsupial (grupo dos gambás, cangurus e coalas) classificado como criticamente ameaçado no Brasil. O único registro que existia da espécie no país era de uma pele depositada no Museu de Zoologia da USP datada de 1964. Porém, em dezembro de 2013, a bióloga da USP Júlia Laterza Barbosa encontrou um exemplar durante um resgate de fauna em Paranaíta, município localizado dentro da Amazônia Legal, no estado de Mato Grosso. A redescoberta foi publicada por Barbosa e outros dois pesquisadores no periódico científico De Gruyter no mês passado (maio de 2016).

Para Marcus Vinicius Brandão, biólogo graduado pela USP, com mestrado em mastofauna pela UFSCar e um dos autores do artigo, a redescoberta da espécie mostra a importância do licenciamento ambiental, processo que analisa os impactos socioambientais de um empreendimento para avaliar se a obra é viável ou não e que pode deixar de ser obrigatório com a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição 65/2012 em tramitação no Senado.

A cuíca-de-colete (Caluromysiops irrupta) foi redescoberta no Brasil após 50 anos. A espécie está na categoria Criticamente Ameaçada da Lista de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção, elaborada pelo ICMBio. (O animal foi capturado durante um resgate de fauna e foi solto em um lugar seguro) - Foto: Júlia Laterza Barbosa

A cuíca-de-colete que foi redescoberta no Brasil após 50 anos. (O animal foi capturado durante um resgate de fauna e foi solto em um lugar seguro) – Foto: Júlia Laterza Barbosa

“Durante o processo de licenciamento ambiental busca-se avaliar o impacto ambiental e também social que grandes obras como rodovias, hidrelétricas, mineradoras, etc podem causar. Dessa forma, avaliamos se os benefícios que serão obtidos por esses empreendimentos compensam os impactos que serão gerados. Assim, através de estudos do meio social e ambiental, pode-se ter dimensão da realidade local e elaborar relatórios que poderão direcionar a minimização dos impactos. Além disso, é uma oportunidade de aumentarmos o conhecimento sobre a biodiversidade local. O registro da cuíca-de-colete é um exemplo disso”, diz Brandão. E completa: “Nós sabemos das atuais tragédias ambientais ocorridas no país. Agora imagine: se essas tragédias já aconteceram com a atual legislação, o que aconteceria se a PEC65 fosse aprovada? Imagine os desastres ambientais que poderiam ocorrer. Grande parte da nossa biodiversidade, que pouco conhecemos, estaria destinada a desaparecer sem termos ciência de sua existência.”

A cuíca-de-colete possui uma característica única entre os marsupiais sul-americanos: a faixa escura que se estende das mãos, passa pelos braços, ombros e chega até as costas - Foto: Júlia Laterza Barbosa

A cuíca-de-colete possui uma característica única entre os marsupiais sul-americanos: a faixa escura que se estende das mãos, passa pelos braços, ombros e chega até as costas – Foto: Júlia Laterza Barbosa

No início deste mês (junho), outro artigo científico, publicado no Check List, informou outro registro da espécie no Parque Estadual Guajará Mirim, em Rondônia. “Embora este novo registro refira-se ao avistamento da cuíca-de-colete em 1995, ou seja, mais de 20 anos atrás, é um registro bastante importante, pois foi feito em uma Unidade de Conservação, o que representa um grande passo na ajuda para a conservação de populações desta espécie no Brasil”, comenta Brandão.

Os registros publicados recentemente são importantes para provar que a espécie ainda vive na Amazônia brasileira. Porém, sua área de ocorrência sofre com o desmatamento para a agricultura e a pecuária. Para Brandão é preciso avaliar o atual estado das populações da cuíca-de-colete, obter mais amostras para estudos genéticos e estudar os dados ecológicos do animal para determinar se a espécie é rara e ameaçada realmente ou se é comum, mas com hábitos que dificultam a percepção de sua presença (como vida restrita à copa das árvores e hábito noturno, por exemplo). “Conhecendo melhor os dados biológicos de Caluromysiops irrupta, a comunidade científica pode direcionar melhor os esforços de conservação e quem sabe no futuro poderemos retirar esta espécie da lista de espécies ameaçadas.

Advertisements

4 thoughts on “Cuíca-de-colete é redescoberta na Amazônia brasileira após 50 anos

  1. excelente artigo da cuica d colete Deus abencoe vcs (e o bicho é claro. Ppalmente ele precisa , ne. Tbm de leis que ajudem)

  2. Que sacanagem se essa PEC for aprovada..ridículo!
    Precisamos de menos impacto ao ambiente e as consequências dessa emenda seriam desastrosas, pois a grande maioria dos produtores optaríam por não contratar um licenciado ambiental.

  3. moro em SP, região de Parelheiros e as vezes encontro cuicas, me disseram que essas tb estão em extinção.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s