Galápagos: a origem da Origem das Espécies

Mapa das Ilhas Galápagos - Foto: Fábio Paschoal

Mapa das Ilhas Galápagos – Foto: Fábio Paschoal

Capítulo 1 da série Galápagos: Ilhas Encantadas

Diego de Rivadeneira, um pirata espanhol estava tentando desembarcar em um arquipélago, mas era impedido pela força incomum das correntes daquele dia. O poder das águas que envolviam o barco era tão forte que ele pensou que as próprias ilhas estavam se distanciando de seu navio. Atribuindo sua aparente falta de habilidade de navegação à causa divina, Diego nomeou aquele lugar de “Las Islas Encantadas” (As Ilhas Encantadas), colocou Galápagos no mapa e mudou o destino do arquipélago para sempre.

[Veja a introdução e o sumário da série Galápagos: Ilhas Encantadas]

Localizado há mais de 900 quilômetros da costa da América do Sul, na linha do Equador, Galápagos é um grupo de 13 ilhas principais – e centenas de ilhotas – formadas a partir de um “hot spot”, uma fissura na crosta terrestre que cria ilha após ilha há milhões de anos. Quando nascem, começam a se afastar lentamente (levadas pelo movimento das placas tectônicas) em direção à América do Sul. Durante a jornada sofrem a ação dos ventos, do mar, das chuvas e assumem formas e climas totalmente diferentes. Algumas são cobertas por florestas, receptivas à vida, outras possuem vulcões ativos que transformam a paisagem em um deserto de rochas negras.

Em Galápagos existem vulcões que ainda estão ativos. Como este na ilha Bartolomé - Foto: Fábio Paschoal

Em Galápagos existem vulcões que ainda estão ativos. Como este, na ilha Bartolomé – Foto: Fábio Paschoal

O modo como as ilhas são formadas e o local em que nascem fazem de Galápagos um lugar incomparável. O arquipélago se localiza no cruzamento entre quatro correntes oceânicas do Pacífico que trazem uma diversidade de vida marinha extraordinária. Do norte vieram leões-marinhos, do sul vieram pinguins. As águas, ricas em nutrientes, suportam mais de 500 espécies de peixes que servem de alimento para aves e mamíferos marinhos. Os répteis também estão presentes. Existem tantas iguanas-marinhas que é preciso ter cuidado onde pisa. Já as tartarugas-gigantes sofreram com piratas que as caçavam por sua carne e com espécies introduzidas que competiam por sua comida, e lutam para se recuperar.

É possível ter um vislumbre da evolução ao se andar por aqui. As espécies que encontramos no arquipélago são semelhantes o bastante para deduzirmos que são aparentadas com as encontradas no continente, mas são distintas a ponto de concluirmos que se tratam de espécies diferentes. Isso também acontece quando olhamos para as ilhas individualmente.

vida selvagem é única, não só em características físicas, mas no comportamento também. É possível se aproximar dos animais sem que eles se sintam ameaçados por você. Isso acontece porque nenhum grande predador terrestre conseguiu chegar e se estabelecer no arquipélago. Assim, nada que chegue por terra representa perigo para a fauna.

As tartarugas-gigantes de Galápagos são ícones do arquipélago - foto: Fábio Paschoal

As tartarugas-gigantes de Galápagos são ícones do arquipélago – Foto: Fábio Paschoal

Os sabiás de Galápagos foram importantes para a elaboração da teoria da evolução - Foto: Fábio Paschoal

Os sabiás de Galápagos (foto) foram muito mais importantes para a elaboração da teoria da evolução do que os famosos tentilhões-de-Darwin – Foto: Fábio Paschoal

Todas essas características foram percebidas por Charles Darwin, que visitou o arquipélago em 1835. Ele coletou plantas e animais pelas quatro ilhas em que esteve, sem saber onde aquelas descobertas o iriam levar. Porém, após 35 dias, o navio HSM Beagle partiu para o Taiti, levando o naturalista para nunca mais voltar.

Mas nem tudo estava perdido: as Ilhas Encantadas haviam lançado seu feitiço. O arquipélago foi essencial para Darwin elaborar sua teoria da evolução. Em 1859, 24 anos após deixar Galápagos, ele publicou A Origem das Espécies, e mudou a nossa percepção sobre a vida no planeta.

Até o final de sua vida, Darwin se agarrou a uma certeza: as solitárias Ilhas Galápagos foram a origem da maioria de suas ideias, a origem da Origem das Espécies (Veja o capítulo 2 da série Galápagos:Ilhas Encantadas).

Pelicano-pardo, ou pelicano-café (Pelecanus occidentalis) e Ilhas gêmeas ao fundo - Foto: Fábio Paschoal

Pelicano-pardo, ou pelicano-café (Pelecanus occidentalis) e Ilhas Gêmeas, em Galápagos, ao fundo – Foto: Fábio Paschoal

Advertisements

2 thoughts on “Galápagos: a origem da Origem das Espécies

  1. Adorei o blog !
    Galápagos é um lugar incrível e seu relato muito enriquecedor ! Adorei!!!
    Continuarei acompanhando ! Parabéns !

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s