Dia Mundial da Vida Selvagem (3 de março)

Onça-pintada (Panthera onca), o maior felino das américas sofre com a perseguição de fazendeiros que querem proteger o gado. O Projeto Onçafari tenta salvar o felino através do ecoturismo – Foto: Fábio Paschoal

Desde criança sou obcecado por animais. Sempre que meus pais podiam me levar em algum lugar eu pedia para ir ao zoológico. Livros e mais livros de bichos começaram a lotar as prateleiras do meu quarto e os documentários da National Geographic e da BBC eram frequentes na TV lá de casa. Aprendi a admirar e a respeitar os bichos e durante a minha carreira tive muitos encontros inesquecíveis com a vida selvagem. Graças a eles escolhi a biologia e encontrei o que realmente gosto de fazer.

Hoje (3 de março) é o Dia Mundial da Vida Selvagem (World Wildlife Day). A data foi criada pela ONU para celebrar a fauna e a flora do mundo e chamar a atenção para a importância da conservação e para os perigos enfrentados pelas espécies. Segundo o site da organização, “o Dia nos lembra da necessidade urgente de intensificar a luta contra os crimes contra a vida selvagem, que têm amplos impactos econômicos, ambientais e sociais.”

Harpia (Harpia harpyja), a mais poderosa ave de rapina do planeta – Foto: Fábio Paschoal

A destruição do habitat é a principal ameaça enfrentada pela vida selvagem. Com a derrubada das árvores a harpia perde locais para construção de ninhos, o mico-leão-dourado fica aprisionado em ilhas de florestas entre os campos que foram abertos e o tamanduá-bandeira corre o risco de ser atropelado ao cruzar uma estrada.

As queimadas liberam gás carbônico (CO2) e contribuem para o efeito estufa. O fenômeno é mais claro nos polos, onde o urso-polar tem menos tempo para caçar focas no gelo marítimo e precisa nadar grandes distâncias em busca de alimento. Mas o aquecimento global também é sentido nos trópicos e nos oceanos. Anfíbios e corais são sensíveis ao aumento na temperatura.

O tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) é o maior de todos os tamanduás. Sua grande cauda, semelhante à uma bandeira, é responsável pelo seu nome. Quando se recolhe para dormir, o animal a dobra em direção ao corpo e a bandeira vira um cobertor – Foto: Fábio Paschoal

Hoje somos mais de 7 bilhões. A população mundial continua crescendo e as cidades seguem diminuindo cada vez mais o espaço dos animais. A proximidade com os seres humanos traz problemas para grandes predadores, como a onça-pintada que enfrenta a retaliação de fazendeiros, que abatem o felino para proteger seus rebanhos. Milhares de elefantes morrem a cada ano para que suas presas sejam transformadas em objetos religiosos. Tigres são exterminados para que seus ossos sejam vendidos como remédios no mercado negro asiático. Cornos de rinocerontes têm o mesmo destino.

De densas florestas até os desertos mais secos, de montanhas elevadas até as areias das praias. O elefante-africano (Loxodonta africana) é encontrado em 37 países diferentes na África. Porém, isso não significa que se encontra em boas condições. A perda e a fragmentação do habitat e os caçadores, que procuram o marfim para vender no mercado negro, são ameaças constantes ao maior animal terrestre do planeta. No entanto, as reservas e os parques nacionais oferecem refúgios para esses animais, e a população segue aumentando. Status na IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza, na sigla em inglês): espécie vulnerável - Foto: Fábio Paschoal

O elefante-africano (Loxodonta africana) é encontrado em 37 países diferentes na África. Porém, isso não significa que se encontra em boas condições. A perda e a fragmentação do habitat e os caçadores, que procuram o marfim para vender no mercado negro, são ameaças constantes ao maior animal terrestre do planeta – Foto: Fábio Paschoal

O tráfico de animais também é motivo de baixas consideráveis. Segundo a Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (RENCTAS), a cada dez animais retirados da natureza só um sobrevive. Há mais araras-azuis em cativeiro do que na natureza e a ararinha-azul possivelmente já está extinta de seu habitat natural.

A arara-azul (Anodorhynchus hyacinthinus), a maior arara do mundo, está ameaçada pelo desmatamento, mas graças aos esforços do Projeto Arara Azul no Pantanal, a espécie saiu da Lista de Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção – Foto: Fábio Paschoal

O caso mais extremo é o do Solitário George. Ele era considerado o animal mais raro do mundo. A tartaruga-gigante era a última sobrevivente da Ilha de Pinta (Galápagos). A morte de George no dia 24 de junho de 2012 marcou a extinção da espécie.

Lonesome George (Solitário George), o animal mais raro do mundo, morreu na manha de domingo (24). George era o último indivíduo da espécie de tartaruga-gigante da ilha de Pinta (Galápagos) – Foto: Fábio Paschoal

No Brasil temos a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga, a Mata Atlântica e os Pampas. Esses seis biomas, tão diferentes, oferecem habitats distintos e permitiram o surgimento de novas espécies durante a evolução. No entanto, a Mata Atlântica já perdeu mais de 90% de sua área original, o Cerrado cede espaço para a soja e para a cana-de-açúcar. Na Amazônia uma área equivalente ao estado do Sergipe é desmatada a cada ano e a Caatinga e o Pantanal sofrem modificações em suas paisagens.

A vida selvagem está em risco e é preciso mais do que um dia para salvá-la. Reservas e projetos de conservação lutam para a preservação de animais ameaçados de extinção, mas o investimento em recursos renováveis, como energia solar por exemplo, ajudaria a salvar essas espécies que têm direito à vida tanto quanto nós.

Salvar

Salvar

Advertisements

One thought on “Dia Mundial da Vida Selvagem (3 de março)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s