Bicho-preguiça arrisca a vida para atrair mariposas para sua pelagem

Preguiça-comum (Bradypus variegatus) - Foto: MikeLane45 - iStock

Preguiça-comum (Bradypus variegatus) – Foto: MikeLane45/iStock

Você sabia que ir ao banheiro pode ser uma tarefa muito perigosa? Pelo menos para a preguiça-comum (Bradypus variegatus) defecar é uma atividade de risco. O animal desce do topo das árvores para “se livrar de substâncias indesejadas” no solo da floresta. Como o bicho se move lentamente, o processo pode demorar mais de 30 minutos e ele passa a ser uma presa fácil para os predadores a espreita. Só para ter uma ideia, metade das mortes de indivíduos adultos acontece quando os animais são predados próximos do chão. Então, por que o bicho-preguiça gasta tanta energia para chegar ao solo e evacuar se ele poderia fazer isso do alto da copa das árvores?

Uma teoria diz que o bicho-preguiça estaria adubando as árvores para facilitar o crescimento de novas folhas que, mais tarde, seriam consumidas por ele. Mas, segundo um artigo de Jonathan Pauli, biólogo da universidade de Wisconsin-Madison, publicado no periódico científico Proceedings of the Royal Society B, o motivo para a preguiça-comum arriscar a própria vida é a manutenção de mariposas em sua pelagem.

O bicho-preguiça se move lentamente nas copas das árvores em busca de folhas para se alimentar. Os movimentos são tão vagarosos que algas começam a crescer em sua pelagem. Esse tipo de locomoção tem um propósito: folhas não possuem muitas calorias e a preguiça tem que conservar energia para sobreviver com uma dieta de baixo valor nutricional.

Algas cobrem os pelos das costas e dos membros do bicho preguiça. O animal fica camuflado na copa das árvores, mas é facilmente avistado quando está no chão da floresta - Foto: JackKa - iStock

Algas cobrem os pelos das costas e dos membros do bicho preguiça. O animal fica camuflado na copa das árvores, mas é facilmente avistado quando está no chão da floresta – Foto: JackKa/iStock

Além de melhorar a camuflagem as algas possuem lipídios e servem como alimento complementar na dieta de baixa caloria da preguiça-comum. Quando o animal faz a limpeza da pelagem, as algas aderem nas garras e são ingeridas junto com as folhas quando o bicho se alimenta.

Porém, a lentidão dos movimentos deixa o animal mais vulnerável a predadores. Na copa das árvores, a coloração esverdeada das algas deixa a preguiça camuflada e resolve o problema. O perigo acontece quando o bicho se encontra no solo. E isso ocorre semanalmente, quando ele precisa defecar.

Pauli começou a olhar para as fezes da preguiça e descobriu que mariposas do gênero Cryptoses depositam seus ovos em pilhas quentes de cocô fresco. As larvas eclodem, se alimentam das fezes, viram mariposas e se dirigem para o topo das árvores para achar um parceiro na pelagem do bicho-preguiça.

A princípio essa relação parece beneficiar somente as mariposas, mas como a energia gasta pelo mamífero é alta (8% de suas necessidades diárias, o equivalente a uma caminhada de 30 minutos para um humano adulto) e o risco de predação é grande, os cientistas da equipe de Pauli acreditavam que a preguiça-comum tinha algum tipo de benefício nutricional ao adotar esse comportamento.

Quando o bicho-preguiça faz a limpeza da pelagem, as algas aderem nas garras e são ingeridas junto com as folhas - Foto: Christian Mehlführer/Creative Commons

Quando o bicho-preguiça faz a limpeza da pelagem, as algas aderem nas garras e são ingeridas junto com as folhas – Foto: Christian Mehlführer/Creative Commons

Para testar a hipótese os pesquisadores compararam o número de mariposas na pelagem da preguiça-comum e da preguiça-real (Choloepus hoffmanni) – que se alimenta de uma variedade maior de folhas e frutos e defeca do alto da copa das árvores. Também foi verificada a concentração de nitrogênio e fósforo na pelagem e a quantidade de algas que colonizavam cada espécie de preguiça.

Os dados mostraram que as preguiças-comuns carregavam mais mariposas, algas e nutrientes em seus corpos do que as preguiças-reais.

De acordo com o estudo, as mariposas estão adicionando nitrogênio à pelagem da preguiça-comum, o que permite o crescimento das algas. Não se sabe ao certo como isso acontece. É possível que as fezes das mariposas estejam nutrindo o pelo do bicho-preguiça com nitrogênio ou que os insetos sirvam de vetores para o transporte das fezes da própria preguiça para sua pelagem.

De um jeito ou de outro, as preguiças-comuns não estão descendo ao chão da floresta para achar um lugar confortável para evacuar. Elas estão providenciando uma “creche” para as larvas de mariposas crescerem. Em troca, as mariposas levam nutrientes que estimulam o crescimento de algas na pelagem do mamífero.

Defecar pode ser uma atividade perigosa para a preguiça-comum, mas os benefícios parecem superar os custos.

Advertisements

3 thoughts on “Bicho-preguiça arrisca a vida para atrair mariposas para sua pelagem

  1. Fantástico como o pelo das preguiças é um sub-habitat para uma biosfera rica! E nem sempre o que os seres vivos fazem é o melhor pra eles. Afinal nunca temos 100% de “fitness” para nosso ambiente, não é? Mas é interessante ver como os comportamentos podem ter explicações de benefícios às espécies, benefícios (vs malefícios) que nem sempre são óbvios…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s